O Índice Geral de Cursos, IGC¹, constitui uma média ponderada, a partir da distribuição dos estudantes nos diferentes níveis de ensino, que envolve as notas contínuas de CPC dos cursos de graduação e os conceitos Capes dos cursos de programas de pós-graduação stricto sensu das IES. A metodologia de mensuração do índice é instituída em uma escala de cinco pontos (1-5) e sempre faz referência ao último triênio do ciclo avaliativo do Sinaes.

O indicador utiliza o CPC no ano do cálculo e nos dois anos anteriores. Seus componentes podem ser agrupados em quatro dimensões: desempenho dos estudantes, valor agregado pelo processo formativo oferecido pelo curso, corpo docente e condições oferecidas para o desenvolvimento do processo formativo.

Em 19 de dezembro de 2019, foram divulgados os Indicadores atualizados de Qualidade da Educação Superior relativos ao ano de 2018 (Conceito ENADE, CPC e IGC). Embora a UnB tenha reduzido apenas marginalmente seu resultado no IGC contínuo em relação ao ano anterior, houve queda para faixa 4 no IGC. Como essa foi a última avaliação do IGC, desde o início da pandemia do COVID-19, não há novos resultados, repetindo-se os valores para o triênio (2019, 2020, 2021). 

Os indicadores de qualidade da Instituição (IGC, CI) e dos cursos (ENADE, CPC e CC) subsidiam a matriz orçamentária² e fazem parte de sua comunicação com a sociedade. Dada a importância desses indicadores acadêmicos, o DPO aprovou, em 2017, nova proposta de distribuição dos recursos da matriz orçamentária às unidades acadêmicas, aproximando os critérios de recebimento dos recursos pelas unidades acadêmicas da UnB aos que o MEC utiliza. Essa mudança teve como base os seguintes princípios: Autonomia da Unidade Administrativa; Transparência; Equidade; Corresponsabilização na gestão; Flexibilização; Simplificação dos processos; Priorização interna da utilização dos recursos; Qualidade institucional.

Para essa ação, a CIG/DAI/DPO tem elaborado relatórios sobre os cada unidade, promovendo a reflexão nas unidades acadêmicas sobre o tema e o acompanhamento dos insumos que compõem esses indicadores.


¹http://portal.mec.gov.br/igc

²A Portaria nº 651, de 24 de julho de 2013, publicada no Diário Oficial da União em 26 de julho de 2013, estabelece no âmbito do Ministério da Educação a Matriz de Orçamento e de Outros Custeios e Capital – Matriz OCC, também denominada Matriz ANDIFES, como instrumento de distribuição de recursos designados às universidades federais.